Grupo pode ter emplacado cerca de 200 veículos roubados usando documentos falsos no TO

  • 13/02/2020
  • 0 Comentário(s)

Grupo pode ter emplacado cerca de 200 veículos roubados usando documentos falsos no TO

A estimativa é que o grupo criminoso, integrado por servidores do Detran Tocantins, despachantes e empresários, pode ter usado documentos falsos para emplacar cerca de 200 veículos roubados em outros estados. A informação é do delegado Rossílio Souza Correia, titular da Delegacia de Furtos e Roubos de Veículos Automotores.

O esquema criminoso veio à tona após a operação Dolos realizada nesta quarta-feira (12) pela Polícia Civil e pelo Grupo Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público Estadual e pela Polícia Civil, com o apoio da Polícia Militar. Para os investigadores, os detidos integram uma organização criminosa suspeita de emitir documentos falsos para 'legalizar' carros roubados e furtados, para depois vender.

Foram cumpridos cinco mandados de prisão em Araguaína, um em Tocantinópolis e um em Wanderlândia, cidades localizadas na região norte do estado. Também há 12 mandados de busca e apreensão. Além disso, a Justiça autorizou a quebra dos sigilos bancário e fiscal dos investigados.

"Foram cumpridos seis mandados de prisão até o momento, 10 mandados de busca domiciliar, inclusive em órgãos públicos, como o Ciretran de Tocantinópolis. Há ainda um mandado para cumprir", informou o delegado.

Em nota, o Detran disse que a direção do órgão contribuiu com as investigações e que a investigação é sigilosa e o órgão não pode fornecer informações.

Informou ainda que continua à disposição para mais informações e que não compactua com atividades ilícitas desenvolvidas seja por servidores ou empresários e despachantes que trabalham junto ao Detran-TO. "Caso seja comprovada a participação de algum servidor no esquema investigado, o Detran-TO informa que tomará as medidas administrativas cabíveis", destacou.
Como o esquema funcionava

De acordo com as investigações, a suposta organização seria especializada em legalizar a documentação de veículos roubados ou furtados em território nacional.

"Para isso, abriam processo de primeiro emplacamento junto ao Detran no Tocantins, utilizando-se de chassi clonado, notas fiscais falsificadas e dados pessoais de vítimas que eram cadastradas como proprietárias desses automóveis. Servidores do Detran que supostamente integram a organização auditavam os processos e emitiam o Certificado de Registro de Veículo (CRV)", relatou o Ministério Público Estadual.

O órgão explica ainda que para fazer o emplacamento, a organização teria como prática clonar o chassi de veículos novos, que por vezes ainda estavam na concessionária e que possuíam as mesmas características do automóvel roubado ou furtado.

Para a investigação, ao que tudo indica, os veículos não chegavam a passar pelo Tocantins, pois não é necessária a realização de vistoria para o emplacamento de automóveis zero-quilômetro.

As placas e os lacres eram enviados do Tocantins para os estados onde os veículos se encontravam, para que lá fossem afixados. Depois de “esquentados”, os automóveis estariam aptos para serem revendidos a terceiros de boa fé, que não sabiam do esquema.

Ainda conforme o Gaeco, por causa da ação fraudulenta, o proprietário do veículo original ficava impossibilitado de emplacá-lo, pois o grupo já havia realizado o emplacamento do automóvel roubado. O Gaeco aponta que tudo isso era feito com nota fiscal falsa, comprovante de endereços falsos e em nome de laranjas

0 Comentários


Deixe seu comentário


Aplicativos


Locutor no Ar

BRUNO DE PAULA

Conexão Brasil

08:00 - 09:59

Peça Sua Música

Nome:
E-mail:
Seu Pedido:


Top 5

top1
1. Henrique e Juliano

Liberdade Provisória

top2
2. Zé Neto & Cristiano

Bebi Minha Bicicleta

top3
3. Gustavo Mioto

Com ou Sem Mim

top4
4. Maiara & Maraísa

Aí eu BeBo

top5
5. Gusttavo Lima

A Gente Fez Amor

Anunciantes