Grupo pode ter emplacado cerca de 200 veículos roubados usando documentos falsos no TO

  • 13/02/2020
  • 0 Comentário(s)

Grupo pode ter emplacado cerca de 200 veículos roubados usando documentos falsos no TO

A estimativa é que o grupo criminoso, integrado por servidores do Detran Tocantins, despachantes e empresários, pode ter usado documentos falsos para emplacar cerca de 200 veículos roubados em outros estados. A informação é do delegado Rossílio Souza Correia, titular da Delegacia de Furtos e Roubos de Veículos Automotores.

O esquema criminoso veio à tona após a operação Dolos realizada nesta quarta-feira (12) pela Polícia Civil e pelo Grupo Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público Estadual e pela Polícia Civil, com o apoio da Polícia Militar. Para os investigadores, os detidos integram uma organização criminosa suspeita de emitir documentos falsos para 'legalizar' carros roubados e furtados, para depois vender.

Foram cumpridos cinco mandados de prisão em Araguaína, um em Tocantinópolis e um em Wanderlândia, cidades localizadas na região norte do estado. Também há 12 mandados de busca e apreensão. Além disso, a Justiça autorizou a quebra dos sigilos bancário e fiscal dos investigados.

"Foram cumpridos seis mandados de prisão até o momento, 10 mandados de busca domiciliar, inclusive em órgãos públicos, como o Ciretran de Tocantinópolis. Há ainda um mandado para cumprir", informou o delegado.

Em nota, o Detran disse que a direção do órgão contribuiu com as investigações e que a investigação é sigilosa e o órgão não pode fornecer informações.

Informou ainda que continua à disposição para mais informações e que não compactua com atividades ilícitas desenvolvidas seja por servidores ou empresários e despachantes que trabalham junto ao Detran-TO. "Caso seja comprovada a participação de algum servidor no esquema investigado, o Detran-TO informa que tomará as medidas administrativas cabíveis", destacou.
Como o esquema funcionava

De acordo com as investigações, a suposta organização seria especializada em legalizar a documentação de veículos roubados ou furtados em território nacional.

"Para isso, abriam processo de primeiro emplacamento junto ao Detran no Tocantins, utilizando-se de chassi clonado, notas fiscais falsificadas e dados pessoais de vítimas que eram cadastradas como proprietárias desses automóveis. Servidores do Detran que supostamente integram a organização auditavam os processos e emitiam o Certificado de Registro de Veículo (CRV)", relatou o Ministério Público Estadual.

O órgão explica ainda que para fazer o emplacamento, a organização teria como prática clonar o chassi de veículos novos, que por vezes ainda estavam na concessionária e que possuíam as mesmas características do automóvel roubado ou furtado.

Para a investigação, ao que tudo indica, os veículos não chegavam a passar pelo Tocantins, pois não é necessária a realização de vistoria para o emplacamento de automóveis zero-quilômetro.

As placas e os lacres eram enviados do Tocantins para os estados onde os veículos se encontravam, para que lá fossem afixados. Depois de “esquentados”, os automóveis estariam aptos para serem revendidos a terceiros de boa fé, que não sabiam do esquema.

Ainda conforme o Gaeco, por causa da ação fraudulenta, o proprietário do veículo original ficava impossibilitado de emplacá-lo, pois o grupo já havia realizado o emplacamento do automóvel roubado. O Gaeco aponta que tudo isso era feito com nota fiscal falsa, comprovante de endereços falsos e em nome de laranjas

0 Comentários


Deixe seu comentário


Aplicativos


Locutor no Ar

TUDO QUE VOCÊ GOSTA!

Piloto Automático

Peça Sua Música

Nome:
E-mail:
Seu Pedido:


Top 5

top1
1. Eduardo Costa

Ainda Tô Aí

top2
2. Gustavo Mioto

Com ou Sem Mim

top3
3. Luan Santana

Asas

top4
4. Gusttavo Lima

Saudade Sua

top5
5. Marília Mendonça

Graveto

Anunciantes